December 3, 2017

September 18, 2017

Please reload

Posts Recentes

Epicondilite e ombro, qual a sua relação?

September 8, 2018

1/2
Please reload

Posts Em Destaque

Tudo está ligado e tudo interessa

No nosso corpo existem cerca de 650 músculos e mais de 200 ossos. Acerca dos ossos, a maioria das pessoas já ouviu falar do fémur, da tíbia, do cúbito ou do rádio. Quanto aos músculos, temos alguns com nomes tão estranhos como psoas-ilíaco, diafragma, piramidal, tensor da fascia lata, subescapular, adutores,  e por aí em diante, a lista seria longa. Além destes ainda temos veias, artérias, órgãos e nervos. Tudo isto deve funcionar num perfeito equilíbrio, sendo interligado através das diversas fáscias. O que é isso de fáscia?!

 

A fáscia tem a aparência de uma teia de aranha. Transpondo para o nosso dia-a-dia, pense naquela fina pele translúcida que envolve um peito de frango (antes de ser cozinhado). É formada por tecido conjuntivo e é um sistema especializado do corpo, que interliga e relaciona cada músculo, osso, nervo, artéria e veia, assim como, todos os nossos órgãos internos incluindo o coração, os pulmões, o cérebro e a medula. Hoje em dia há terapias que podem ajudar a tratar disfunções a este nível.

 

Outro conceito que gostaria de lhe falar é o de tensegridade (introduzido por Thomas Myers), que é a junção entre tensão + integridade. Isto significa o quê? Significa que qualquer alteração em algum ponto deste contínuo fascial, ou num determinado músculo (ou mesmo grupo muscular), toda a nossa postura sofre alterações. Veja aqui um vídeo explicativo. Como disse Joseph Pilates (criador do método Pilates): 

 

Boa postura pode ser adquirida com sucesso somente quando todo o mecanismo do corpo está sob controle perfeito.”

 

Philippe Souchard (criador da Reeducação Postural Global, método de tratamento especializado para disfunções da coluna) refere também que a postura é o resultado da disposição dos diferentes segmentos corporais em equilíbrio estável. (…). É variável para um mesmo indivíduo, em função da fadiga, da idade e, claro, da patologia”.

 

Surpreendentemente, ou não, há uma ligação muito forte entre a nossa postura e as nossas emoções. Pelo menos é o que nos conta Amy Cuddy, psicóloga social e investigadora, na sua palestra mundialmente conhecida (ver TED Talks – Amy Cuddy: a nossa linguagem corporal modela quem somos.). Amy diz, entre outras coisas, o seguinte:

 

“... Fazemos juízos e inferências gerais a partir da linguagem corporal. (…). Também somos influenciados por eles, pelos nossos pensamentos, pelos nossos sentimentos e pela nossa fisiologia. (…)

 

Uma das profissões que mais se preocupa, avalia e reabilita a postura é a fisioterapia. Eu sou fisioterapeuta, e garanto-lhe que a postura é sempre algo a ter em consideração durante todo o processo de avaliação e reabilitação, incluindo tanto a fase dolorosa e inflamatória, como a fase mais avançada de reintegração no exercício.

 

Há um ditado antigo, atribuído ao Dr. Theodore Woodward, que diz que quando ouvirmos cascos devemos pensar em cavalos, e não em zebras. Isto porque na sua terra natal seria mais realista encontrar um cavalo ao ouvir o som de cascos, e muito pouco provável encontrar uma zebra. Esta metáfora que estou a apresentar-lhe serve para me referir aos sintomas e às causas dos sintomas, sendo que os cascos representam os sintomas e o cavalo / zebra representam as alterações que levam à sintomatologia. 

 

Se eu sofrer uma pancada na lombar (o cavalo), é normal que fique com dores (os cascos) nessa região. Mas também existem situações em que não houve qualquer traumatismo e aparece-me uma dor na coluna lombar (os cascos)...como? porquê? Iniciei este artigo com o título tudo está ligado e tudo interessa. Depois de ler este texto, torna-se compreensível que uma pessoa que tem uma restrição na mobilidade das ancas (a zebra) porque passa o seu dia sentada numa cadeira ao computador, possa desenvolver dor na coluna lombar. Mas isto é só um exemplo, muito simplificado de como a tensão miofascial e as alterações na tensegridade influenciam o nosso corpo e a nossa saúde.

 

Tem dores todos os dias e acha normal? Ter dor não é normal, garanto-lhe. Procure ajuda com o seu fisioterapeuta, osteopata, médico, naturopata, com quem entender. Mas preste atenção ao seu corpo. Ter dor não é suposto ser o estado normal.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga